O que é a APHP?


A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) é um organismo sem fins lucrativos, apolítico e secularizado, que representa desde 1974 os interesses e valores das unidades de saúde portuguesas de natureza privada. Defende a criação de um sistema de saúde que assuma características de pluralidade de prestação, competitividade, eficiência e liberdade de escolha da unidade de saúde. Ou seja, um Estado Garantia com a intervenção do mercado.
.

Destaques

APHP tem novo presidente


O Dr. Óscar Gaspar sucedeu ao Dr. Artur Osório

NOTAS BIOGRÁFICAS

Natural de Vagos, Aveiro, o Dr. Óscar Gaspar é casado e pai de 2 filhos. Licenciado em Economia pela Faculdade de Economia do Porto, fez também uma pós–graduação em Gestão Pública na Universidade de Aveiro.

Trabalhou na banca de investimentos e na banca comercial, designadamente no BCP entre 1992 e 1997. Foi assessor do Grupo Parlamentar do PS entre 1997 e 1999 e assessor e chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e do Orçamento entre 1999 e 2001. Integrou o Conselho de Fiscalização do Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social e foi Administrador da Metro-Mondego, SA entre 2001 e 2004. Colaborou com a Iberdrola até Março de 2005. Foi assessor económico do Primeiro-ministro de 2005 a 2009 e Secretário de Estado da Saúde de 2009 a 2011. Entre 2011 e Setembro de 2014 foi assessor económico do Secretário-Geral do PS. Foi Diretor de External Affairs da MSD - Merck Sharp & Dohme - Portugal até agosto de 2016.

Foi eleito presidente da Direção da APHP para o triénio 2016 –2018.

Vídeos



Mais Videos

Editorial


Artur Osório Araújo

A reforma do estado na saúde: da ficção à realidade

A reforma do Estado é um tema endémico no historial político português. Desde o Século XIX, quando surgia a penúria do Estado, proporcional à sua anafadez – falava-se de reformas do Estado. 

Ler mais

Observatório

ADSE E O SEU FUTURO

Ao longo dos últimos anos muito se questionou a existência da ADSE. Para muitos era mais um fator de pressão financeira nas contas do Estado; para outros, sempre com tiques de complexos ideológicos, era uma fórmula que acentuava desigualdades e promovia iniquidades. Finalmente, para uns tantos, era a forma de o Estado financiar prestadores privados. Neste palco de conjeturas, de morte anunciada, a ADSE sobreviveu, consolidou–se como organização e até passou a ser auto suficiente em termos financeiros, gerando saldos apreciáveis, muito à custa da pressão do preço sobre os prestadores e sobretudo de uma maior contribuição dos seus beneficiários. Apesar disso, em termos percentuais é insignificante o número dos que abandonam o subsistema – este é o dado de maior significado e que mais solidez transmite ao futuro da ADSE.

Ler Mais